Arquivo

Archive for the ‘Emprego’ Category

♫ Baile de Tabela ♫

Revista – TI Nordeste (GOVERNANÇA EM TI)

Existe problema sem solução?

Achei esse texto interessante e resolvi compartilhar… muito bom!

Um homem comprou um carro, que tinha um defeito curioso. Mandou uma carta à fábrica relatando seu problema: “Não os culpo se não responderem. Sei downloadque parece loucura. Toda noite, depois do jantar, pego o carro e vou tomar sorvete. Quando compro sorvete de Creme, o carro não funciona. Quando compro de outro sabor, liga na hora. Por que isto ocorre?”
A carta foi parar na mesa do presidente da empresa, que destacou seu melhor Engenheiro para desvendar o mistério. Incrédulo, o Engenheiro chegou à casa do homem na hora em que ele saía para comprar sorvete. Os dois foram juntos a sorveteria. Pediram de Creme. Voltaram ao carro. Ligaram… Nada.

No dia seguinte, repetiram o passeio. Pediram de Baunilha. O carro pegou. No terceiro dia, de Nozes. Tudo bem. No quarto, Cereja. O motor perfeito. No quinto, Creme, de novo. O motor não deu sinal de vida. Inacreditável. A única conclusão possível: O carro era alérgico a sorvete de Creme. O que fazer diante dessa constatação? Trocar o óleo por creme antialérgico?

O engenheiro não podia acreditar naquilo. Passou uma semana cruzando dados e comparando hipóteses. Um dia, olhando suas anotações, achou uma pista: O homem levava menos tempo para comprar sorvete de Creme. Como era um sabor bastante pedido, o latão com Creme ficava à mão do atendente. Para pegar os outros sabores, tinha de lavar a concha, enxugá-la, dar alguns passos para pegar o sorvete e mais outros para entregá-los ao cliente. Além disso, o de Creme custava R$ 1,00. Os outros sabores, R$ 1,20. Como o homem nunca tinha 20 centavos trocados, quando comprava de Chocolate ou de Morango tinha de esperar para receber e conferir o troco. Isso representava 01 minuto a mais.

Com isso, o mistério ganhou nova configuração. Não se tratava de o carro gostar ou não de sorvete de Creme. A questão agora era: Por que ele não funcionava quando se levava menos tempo? O engenheiro abriu o motor, conectou aparelhos a várias peças e descobriu que havia um relé com uma ventoinha defeituosa, que causava um problema de resfriamento. Touché! (ou Eureka, se preferirem). Quando o homem comprava sabores como Flocos ou Pistache, a peça tinha mais tempo para se resfriar. Quando pedia de Creme, o serviço era mais rápido, o relé ainda estava quente e não funcionava. Estava esclarecido o mistério. Era só não embarcar nas aparências, estudar o problema com cuidado e encontrar o caminho certo.

Moral da história: Se você, caro amigo (a), se encontra desesperado, sem encontrar uma solução para seu problema, tenha calma. Coloque a cabeça para funcionar e analise os fatos. Por mais complicado que seja, não há problema sem solução.

Fonte

A fábula dos porcos assados (Falta de bom-senso)

Certa vez, aconteceu um incêndio num bosque onde havia alguns porcos, que foram assados pelo fogo. Os homens, acostumados a comer carne crua, experimentaram e acharam deliciosa a carne assada. A partir daí, toda vez que queriam comer porco assado, incendiavam um bosque…

Mas o que quero contar é o que aconteceu quando tentaram mudar o “sistema” para implantar um novo. Fazia tempo que as coisas não iam lá muito bem: às vezes os animais ficavam queimados demais ou parcialmente crus. O processo preocupava muito a todos, porque se o “sistema” falhava, as perdas ocasionadas eram muito grandes – milhões eram os que se alimentavam de carne assada e também milhões os que se ocupavam com a tarefa de assá-los. Portanto, o “sistema” simplesmente não podia falhar. Mas, curiosamente, quanto mais crescia a escala do processo, tanto mais apareciam falhas e tanto maiores eram as perdas causadas.

Leia mais…

O PRINCÍPIO 90 / 10 – Stephen Covey

Que princípio é este? Os 10% da vida estão relacionados com o que se passa com você, os outros 90% da vida estão relacionados com a forma como você reage ao que se passa com você.

O que isto quer dizer? Realmente, nós não temos controle sobre 10% do que nos sucede.

Não podemos evitar que o carro enguice, que o avião atrase, que o semáforo fique no vermelho. Mas, você é quem determinará os outros 90%.

Como? Com sua reação.

Exemplo: você está tomando o café da manhã com sua família.

Sua filha, ao pegar a xícara, deixa o café cair na sua camisa branca de trabalho.

Você não tem controle sobre isto. O que acontecerá em seguida será determinado por sua reação.

Então, você se irrita. Repreende severamente sua filha e ela começa a chorar.

Você censura sua esposa por ter colocado a xícara muito na beirada da mesa. E tem prosseguimento uma batalha verbal.

Contrariado e resmungando, você vai mudar de camisa. Quando volta, encontra sua filha chorando mais ainda e ela acaba perdendo o ônibus para a escola.

Sua esposa vai pro trabalho, também contrariada. Você tem de levar sua filha, de carro, pra escola. Como está atrasado, dirige em alta velocidade e é multado. Depois de 15 min. de atraso, uma discussão com o guarda de trânsito e uma multa, vocês chegam à escola, onde sua filha entra, sem se despedir de você. Ao chegar atrasado ao escritório, você percebe que esqueceu de sua maleta.

Seu dia começou mal e parece que ficará pior. Você fica ansioso pro dia acabar e quando chega em casa, sua esposa e filha estão de cara fechada, em silêncio e frias com você. Por quê? Por causa de sua reação ao acontecido no café da manhã.

Pense: por quê seu dia foi péssimo?

A) por causa do café?
B) por causa de sua filha?
C) por causa de sua esposa?
D) por causa da multa de trânsito?
E) por sua causa?

A resposta correta é a E.

Você não teve controle sobre o que aconteceu com o café, mas o modo como você reagiu naqueles 5 minutos foi o que deixou seu dia ruim.

O café cai na sua camisa. Sua filha começa a chorar. Então, você diz a ela, gentilmente: “Está bem, querida, você só precisa ter mais cuidado”.

Depois de pegar outra camisa e a pasta executiva, você volta, olha pela janela e vê sua filha pegando o ônibus.

Dá um sorriso e ela retribui, dando adeus com a mão.

Notou a diferença? Duas situações iguais, que terminam muito diferente. Por quê? Porque os outros 90% são determinados por sua reação.

Aqui temos um exemplo de como aplicar o Princípio 90/10. Se alguém diz algo negativo sobre você, não leve a sério, não deixe que os comentários negativos te afetem. Reaja apropriadamente e seu dia não ficará arruinado.

Como reagir a alguém que te atrapalha no trânsito? Você fica transtornado?

Golpeia o volante? Xinga? Sua pressão sobe? O que acontece se você perder o emprego? Por quê perder o sono e ficar tão chateado? Isto não funcionará. Use a energia da preocupação para procurar outro trabalho.

Seu vôo está atrasado, vai atrapalhar a sua programação do dia. Por quê manifestar frustração com o funcionário do aeroporto? Ele não pode fazer nada.

Use seu tempo para estudar, conhecer os outros passageiros. Estressar-se só piora as coisas.

Agora que você já conhece o Princípio 90/10, utilize-o. Você se surpreenderá com os resultados e não se arrependerá de usá-lo.
Milhares de pessoas estão sofrendo de um stress que não vale a pena, sofrimentos, problemas e dores de cabeça.
Todos devemos conhecer e praticar o Princípio 90/10.

Pode mudar a sua vida!

Para complementar o texto, segue uma historinha….

O colunista Sydney Harris acompanhava um amigo à banca de jornal. O amigo cumprimentou o jornaleiro amavelmente, mas como retorno recebeu um tratamento rude e grosseiro. Pegando o jornal que foi atirado em sua direção, o amigo de Sydney sorriu atenciosamente e desejou ao jornaleiro um bom final de semana. Quando os dois amigos desciam pela rua, o colunista perguntou:

– Ele sempre te trata com tanta grosseria?
– Sim, infelizmente é sempre assim.
– E você é sempre tão atencioso e amável com ele?
– Sim, sou.
– Por que você é tão educado, já que ele é tão rude com você?
– “Porque não quero que ele decida como eu devo agir. Nós somos nossos próprios donos”.

Não devemos nos curvar diante de qualquer vento que sopra, nem estar à mercê do mau humor, da mesquinharia, da impaciência e da raiva dos outros.

Não são os ambientes que nos transformam, e sim nós que transformamos os ambientes.

NINGUÉM PODE ESTRAGAR O SEU DIA, A MENOS QUE VOCÊ PERMITA!

Fonte: http://fmanha.com.br/

DatabaseCast #62: Banco de dados na sala de aula

Neste episódio do DatabaseCast Mauro Pichilian (@pichiliani), Wagner Crivelini (@wcrivelini) e o convidado Pedro Antônio Galvão Junior (@JuniorGalvaoMVP) entram na sala de aula para por fim na bagunça. Neste episódio você vai aprender onde e como banco de dados é ensinado dentro da sala de aula, discutir didática, observar comportamento, ser firme na disciplina, jugar o que é um professor bom ou ruim e saber como não deixar o professor com dor de cabeça.

Talk Show – Encontro das Profissões

Participei do meu primeiro Talk Show (Encontro das Profissões) na Faculdade Evolução, achei interessante e gostaria de expor aqui o que foi comentado sobre a profissão de DBA

Profissionais entrevistados:
– Régis Melo (CTO / Desenvolvedor – GreenMile)
– Werlon Marques (Infra-Estrutura – Stefanini)
– Antônio Aldeir (Analista de Negócios – IVIA)
– Alex Souza (DBA – Grupo Granja Regina)

Perfil do DBA:
A maioria dos DBAs que conheço são pessoas organizadas, éticas, responsáveis, tranquilas e que gostam muito de estudar e de desafios! Muitas vezes considerado o chato da TI, pois lutam para que os dados da empresa, sejam o mais consistente, seguro e performático possível!

Sobre a profissão:
1. Se trata de um cargo de confiança, pois trabalhamos com o maior bem de uma empresa, seus dados!
2. Muitos perguntam, o que o DBA faz? A resposta é simples:
2.1 Ele mantém seus dados e informações disponíveis e consistentes sempre que precisarem.
2.2 Ele é aquele responsável por sua empresa não deixar de faturar nem um dia se quer ao ano!
2.3 Ele é responsável, em caso de um desastre, por recuperar todas suas informações com a maior brevidade possível.
2.4 Ele é responsável pela segurança de suas informações, para evitar acesso indevido, roubo e até mesmo sequestro das mesmas, que está ocorrendo com frequência nos últimos dias!
2.5 Ele é responsável por manter e garantir a melhor performance possível de suas aplicações no que se trata de BD. Muitas vezes não tem muito o que fazer, caso o problema esteja na forma que a aplicação foi escrita, ou a forma em que o banco de dados está desenhado e etc…

Perguntas:
1. E ai, o DBA morde?
O DBA não morde, apenas presa pelos dados da empresa! E isso nos torna protetores de nossos bancos de dados! Defendendo-os de possíveis inconsistências, informações desnecessárias, procedimentos não performático e acessos indevidos (internos/externos)

2. Qual a melhor forma de analisar um projeto para definir qual SGBD é melhor para usar no projeto?
A escolha do banco de dados a ser usado em um projeto, varia das especificações e necessidades do projeto! Por exemplo, um projeto de um sistema web de pequeno porte, que será usado por 10 pessoas que utilizará o sistema de segunda a sexta das 8 as 17hs, pode ser usar por exemplo o MYSQL.
Já um projeto de um sistema que trabalha 24X7, que o intervalo de indisponibilidade seja próximo a 0, que contenha milhares de usuários, esses devem utilizar bancos de dados de maior porte, como por exemplo: SQL Server, ORACLE…

3. Faixa Salarial?
O mercado de trabalho em nossa região e estado, para a profissão de DBA, é bem restrito. Poucas são as empresas que tem um DBA em sua equipe, esses profissionais se encontram em empresas de grande porte e empresas que prestam serviços de TI, como podemos citar como exemplo a IVIA.

Mas focamos que o importante não é o salario e sim, de degrau em degrau ir conquistando o seu espaço, com muito estudo e determinação!

4. Qual o grau de contato com usuários?
Na empresa que trabalho atualmente, o contato do DBA com os usuários praticamente não existe, o contato é direto com os analistas de negócios e desenvolvedores de soluções!
Foge um pouco dessa linha quando se entra no assunto de Business Intelligence, onde o DBA tem um contato direto com analistas de custos e cargos estratégicos da empresa!

Perguntas rápidas:
– Certificação ou Graduação
— As 2 são importantes, acho que complementam-se!

– Profissionais Especialistas ou Generalistas
— Na area de BD minha opinião é Especialista, não somente de 1 SGBD, mas de pelo menos 2 e conhecimento geral nos demais e ferramentas do mercado.

– Plataforma Windows ou Linux
— Windows, atualmente trabalho nessa plataforma! e sei do potencial também da outra plataforma!

– Aplicação Desktop ou Web
— Levando pelo lado de performance e segurança, votei em Desktop, mas Web as vezes é necessário dependendo do ambiente e projeto!

– Armazenamento em Nuvem ou Local?
— Local (segurança)

 

IMG-20151013-WA0012

%d blogueiros gostam disto: